quarta-feira, setembro 24, 2008

Partido da Liberdade - A direita que falta a Portugal

Com a devida vénia ao Diário de Aveiro
O Partido da Liberdade (PL) está a chegar à recta final do processo de trabalhos, que durante os últimos nove meses foram desenvolvidos, com vista à criação de um novo projecto político para Portugal. Desta forma, as assinaturas recolhidas já se aproximam às 7500 necessárias, assim como toda a documentação exigível já está a ser ultimada para revisões finais, e posterior entrega no Tribunal Constitucional.

Após mais um ciclo da habitual “rentrée” dos partidos, sentimos mais do que nunca o fosso que existe na direita portuguesa, tornando a razão de ser do nosso projecto uma urgência, para a salvaguarda dos verdadeiros valores de liberdade, justiça, e solidariedade, na renovação da democracia, e no retomar da credibilidade e da elevação dos políticos e da política na nossa Pátria.

Não nos alheando da grave crise política, económica, e financeira que a nível mundial atravessamos, temos por certo que na União Europeia (UE) dado o rumo federalista e capitalista adoptado, esta crise tende a acentuar-se, e que, infelizmente, Portugal dentro desta UE representa um dos elos mais fracos, devido às consequências das sistemáticas políticas de alternância facilitista, que durante décadas se vêm instalando no sistema, e em particular pelo desastre do défice brutal que tem sido provocado às classes médias, durante estes últimos (des)governos PS, e PSD/CDS.

Hoje, após nove meses de contactos directos com os portugueses, podemos afirmar que a direita em Portugal é uma “miragem”, e que dada a “engorda” do “centrão político”, inclusive com a adesão de dois novos partidos (MMS e MEP) também subservientes ao sistema, e obviamente canalizados para o centrão, a oposição de direita vem-se anulando, dando maior espaço ao PCP e BE, e fazendo com que a esquerda continue a florescer no nosso país, ao invés do que acontece na maioria dos países mais civilizados e mais produtivos da Europa.

O Partido da Liberdade, surge como um partido de direita, sem preconceitos nem equívocos, de convicções fortes e duradouras, preparado para desafiar o sistema com novas ideias, e com novas formas de ser e de fazer política, descentralizando-se dos interesses oportunistas e vulgares da maioria dos políticos, e centralizando-se nos problemas reais do país, criando políticas de responsabilização e aproximação de todos os cidadãos, incentivando a intervenção activa dos portugueses na política e na sociedade em geral.

Concluímos que as grandes mudanças necessárias ao sistema, jamais poderão advir dos grandes partidos, eles próprios empregados do sistema. Manuela Ferreira Leite, numa simbiose de que de pior tiveram Marques Mendes e Filipe Menezes, ou o eternamente demagógico Paulo Portas, jamais constituirão uma oposição credível, pois representam eles próprios, o sistema decadente em que vivemos. E em Portugal, a situação política torna-se tão mais grave, porque os pequenos partidos existentes, sobrevivem também com políticos viciados, demonstrando-se mais do mesmo, e sustentando anseios e vaidades pessoais servindo-se para isso da política, em vez de servir o país com projectos coerentes e sérios, e em vez de se demonstrarem capazes de apresentar verdadeiras alternativas ao serviço dos portugueses.

O Partido da Liberdade surge para fazer a verdadeira diferença, agregando descontentes do sistema, sem “medos”, sem “vícios”, e sem receios de erguer a voz contra tanto que vai mal. O PL, surge livre e isento de compromissos com o sistema, sem vaidades nem mordomias, pois só desta forma é possível contestar a falta de rumo da nossa Pátria, apontando novos caminhos com a modernidade necessária, mas cimentados em valores do que considera ser uma verdadeira direita.

Num momento em que o país atolado em problemas sociais, económicos e financeiros, se prepara na Assembleia da República para debater valores de esquerda como o casamento entre homossexuais, o PL, surge para defender valores de direita, como a família, e a natalidade, e ainda para propor políticas de estímulo ao alargamento do conceito de família, a descendentes e a ascendentes, subsidiando a infância e a velhice, dignificando-as, ao invés de subsidiar a preguiça e a degradação das células vitais em sociedade.

O PL surge para uma nova Liberdade com responsabilidade, sem arrogância mas com austeridade, contra políticas facilitistas do neoliberalismo desenfreado e da propaganda socialista, e a favor de uma distribuição mais justa de todos os recursos. O PL surge para defender os valores do trabalho, do mérito, do reconhecimento, da justiça, da educação pelo exemplo, e da solidariedade. O PL surge para desfazer enganos, situando-se numa direita de correcção política, criando planos de reanimação das classes médias, esvaziadas e sangradas pelo actual sistema. O PL, não considera demagogia exigir a baixa generalizada de impostos, mas para tal tem de existir uma forte vontade de resistir, e de fazer abdicar de mordomias, futilidades e luxos um Estado palaciano de uns poucos, para poder melhorar a qualidade de vida e as condições de sobrevivência da maioria.
Susana Barbosa
1ª Signatária do Partido da Liberdade
(publicado na edição de hoje do Diário de Aveiro)

8 Comments:

At 4:29 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Muito bem!

Face à habitual euforia dos partidos do sistema, no término da “Estação louca” e reiniciada a soalheira politiquice nacional, eis mais uma análise lúcida e preocupada – preocupação por este pobre País, bem entendido – de alguém capaz de ver o desnorte em que nos encontramos.

É, ainda, uma boa palmatoada, bem merecida aliás, nesta mísera, mas acomodada, desinteressada, mas instalada, Direita nacional. É o anúncio de que algo de novo vai surgir, algo que vem para ser contradição, para ser mudança, para ser diferente!

Preocupa-me, sobremaneira, a ausência de Valores da nossa sociedade. Esta perda, acentuadamente acontecida nos últimos anos, é a grande culpada da criminalidade e insegurança ora reinantes, da corrupção despudorada, do enriquecimento imoral de uns poucos, da miséria de muitos, e da apatia resignada que resulta da impotência perante a crueldade do sistema. E – grande crime – do quase desaparecimento da classe média, sempre firme esteio da nossa Sociedade.

Vejo, com enorme esperança, o Partido da Liberdade, surgir como campeão de Nobres Causas, como campeão dos Valores que nos fizeram Povo, despertando as consciências que poderão reerguer a Pátria Portuguesa.

Bem haja, pelo seu esforço, enorme sem dúvida, e pela sua entrega desinteressada a tão honrosa finalidade.

 
At 6:37 da tarde, Blogger isabel mendes ferreira said...

Querida Su a este país falta bom senso sabedoria humildade e sei lá....


cansaço. o meu.



ternura . a minha. por ti.


sempre.


dentro.

 
At 8:36 da tarde, Blogger hfm said...

Sempre por mão própria... um beijo.

 
At 12:06 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Para a frente é que é o caminho .
Portugal merece voltar a ser “PORTUGAL”.

Rui Pires da Silva

 
At 3:53 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Com a devida vénia, mas está a ser esquecido o valoroso trabalho do incansável José Pombal, aqui fica o reparo.
Em frente Portugal!

Paulo Rodrigues

 
At 12:37 da tarde, Anonymous Anónimo said...

www.alternativaportugal.com
Saúda este novo Partido Nacionalista

 
At 5:57 da tarde, Blogger Enigmático said...

Muito Bem!
Antes de mais queria dizer que fiquei muito impressionado com as idéias do vosso partido, identifico-me a 100%, se este partido for para a frente podem contar com o meu voto, sempre votei em branco ou no PNR porque era o único partido nacionalista mas finalmente aparece algum partido com o qual eu me identifico a 100%.
Força PL!

 
At 12:21 da manhã, Anonymous Diogo de Campos (da cidade do Porto) said...

Temos, que dar a “força” necessária ao Partido da Liberdade, pois, só ele nos pode “salvar” da crise principalmente da de valores, do que da económico-financeira. Actualmente, Portugal não tem um partido de Direita, o Partido da Liberdade será realmente a Direita que falta a Portugal. Apoio a 100% o Partido da Liberdade!

Diogo de Campos
14 anos
Porto

 

Enviar um comentário

<< Home