domingo, outubro 29, 2006

Silêncio (I)

O silêncio é um termo polissémico, uma palavra com várias camadas como a casca da cebola. Uma palavra que se descaca com encantamento. Ausência de barulho, jejum da palavra, renúncia, revela-se o canto secreto da linguagem acabada, música de mil harmonias segundo o imaginário, os afectos, a intuição. O silêncio penetra para além do conceito, do intelecto, leva-nos ao coração das coisas, faz-nos tocar, sem esforço, o coração de Deus. Buda é às vezes chamado o "mestre do silêncio". Para os budistas, no ramo zen em particular, o silêncio é considerado como meio privilegiado de chegar à verdade, a nascente escondida.

in O Silêncio
Os Melhores Contos Zen

5 Comments:

At 9:52 da manhã, Blogger hfm said...

Fui apanhada por este silêncio.

 
At 12:15 da tarde, Blogger Mendes Ferreira said...

bom dia Silêncio______________bom. suave. redentor. Tu. beijo.

 
At 2:46 da tarde, Blogger mfc said...

Como no falar...há o silêncio compreensível e elucidativo e o que o não é.

 
At 5:44 da tarde, Blogger AS said...

Excelente texto!...
O silêncio na sua fase mais perfeita, são como caricias só sentidas pela alma!...


Um beijo...

 
At 7:12 da tarde, Blogger migas (miguel araújo) said...

Viva Susana
Se há quem diga que uma imagem vale por mil palavras, o silêncio vale por todo o universo.
Aí descobrimo-nos, descobrimo o outro, a vida e o que nos rodeia.
E quão precioso é o silêncio.
Cumprimentos

 

Enviar um comentário

<< Home