domingo, outubro 15, 2006

Não ser

Ah! arrancar às carnes laceradas
Seu mísero segredo de consciência!
Ah! poder ser apenas florescência
De astros em puras noites deslumbradas!

Ser nostálgico choupo ao entardecer,
De ramos graves, plácidos, absortos
Na mágica tarefa de viver!
...

Quem nos deu asas para andar de rastos?
Quem nos deu olhos para ver os astros
- Sem nos dar braços para os alcançar?!...

Florbela Espanca

2 Comments:

At 9:29 da tarde, Blogger Mendes Ferreira said...

asas para te sobrevoar....


_________________beijos Su.

 
At 11:01 da tarde, Blogger mfc said...

O fatalismo lúcido de Florbela.

 

Enviar um comentário

<< Home