segunda-feira, julho 25, 2005

Fronteira

De um lado terra, doutro lado terra;
De um lado gente, doutro lado gente;
Lados e filhos desta mesma serra,
O mesmo céu os olha e os consente.

O mesmo beijo aqui, o mesmo beijo além;
Uivos iguais de cão ou de alcateia.
E a mesma lua lírica que vem
Corar meadas de uma velha teia.

Mas uma força que não tem razão,
Que não tem olhos, que não tem sentido,
Passa e reparte o coração
Do mais pequeno tojo adormecido.

Miguel Torga

2 Comments:

At 3:56 da manhã, Anonymous Anónimo said...

What a great site » »

 
At 12:54 da tarde, Anonymous Anónimo said...

I have been looking for sites like this for a long time. Thank you! film editing schools

 

Enviar um comentário

<< Home